Vida financeira a dois: a importância da harmonia nas finanças do casal

Redação Redesul :)

Redação Redesul :)

O melhor da Redesul com estratégias para prosperar e aumentar seus investimentos.

Desde cedo aprendemos que a organização financeira é um aspecto extremamente importante ao decorrer da vida, porém é também um assunto complicado e difícil para várias pessoas, principalmente nas finanças do casal.

No Brasil não existe o ensino de economia e educação financeira na maioria das escolas, então uma criança aprenderá sobre isso com seus pais ou por conta própria. E se já é difícil conciliá-la no dia a dia imagine então as dificuldades de entendê-la em um relacionamento.

A vida a dois é o passo natural para um grande número de pessoas e, por mais que o amor seja forte, um dos pontos que mais trazem conflitos para o relacionamento, seja nos novos ou nos de longa data, é uma vida financeira bagunçada.

Morando junto: quanto vocês ganham juntos e quanto vocês gastam juntos

Para uma vida financeira a dois equilibrada o casal deve, antes de tudo, sentar e conhecer qual é a realidade de cada um, quanto cada um gasta individualmente e quanto gastam como casal. Coloque na ponta do papel:

  • Quanto cada um ganha individualmente
  • Quanto os dois ganham juntos
  • Quais são as despesas fixas mensais do casal (aluguel, internet, energia, mercado, etc)
  • Quais dessas despesas são necessárias e quais são desnecessárias

Fazendo isso o primeiro passo já foi dado, agora vocês já sabem exatamente quanto ganham e quanto gastam como casal. É importante verificar diversos fatores, como por exemplo, o quanto se ganha e o quanto se gasta.

Especialistas dizem que o valor gasto com aluguel, consórcio, etc, não deve passar de 30% da renda, isso incluindo condomínio e demais taxas.

Neste momento também é importante que cada um reconheça a condição financeira atual do casal e respeite isso. Forçar um estilo de vida que não se pode pagar é o início de problemas graves, tanto pessoais como no relacionamento.

O Serviço de Proteção de Crédito (SPC) divulgou pesquisas afirmando que o número de brigas por questões financeiras em um relacionamento de casais endividados é de 22,7%. Já o mesmo motivo das brigas em casais sem dívidas cai para 10,7%. Significativo, não é mesmo?

Transparência no amor, e nas contas

Esconder dívidas e contas é um dos problemas que mais desestabilizam o relacionamento, uma vez que uma pequena dívida pode virar uma avalanche e afetar diretamente a parte do casal que sequer sabia de sua existência.

É importante ser honesto com seu parceiro e deixar as inibições de lado. Porém sabemos que muitas vezes dívidas e compras impulsivas não são resultado apenas da desorganização financeira, mas elas podem ter causas emocionais e psicológicas.

Conversar com família e parceiros e procurar a ajuda de um psicólogo pode ser a solução para alguns tipos de gastos.

Dividir as contas meio a meio?

O ideal na hora da distribuição de quem paga o que e quanto será esse valor deve levar em conta o quanto cada um ganha, olha só:

#1 Os dois ganham a mesma coisa ou não existe muita diferença nos salários

A divisão das dívidas em 50% para cada é a opção mais recomendada nessa situação, já que ambos ganham aproximadamente a mesma coisa não tem motivo para um pagar mais do que o outro.

Porém gastos como faculdade e cursos também interferem, nesse caso a concordância do casal no ajuste das contas é essencial para que um deles possa se formar e conquistar seus objetivos.

A divisão de gastos de forma igual ajuda o casal a entender quanto cada um colabora na casa, é a divisão do percentual “meio a meio”  a mais fácil para as duas partes entenderem.

#1 Um ganha bem mais do que o outro

Existem casais em que uma das partes ganha bem mais do que a outra, isso pode significar que a parte que ganha mais queira ter um estilo de vida diferente, uma vez que pode arcar com contas de forma diferente.

Porém essa é uma situação que vai exigir mais conversa entre o casal e, talvez, uma divisão diferente das contas, uma vez que a parte que ganha menos não pode se comprometer em pagar metade de um aluguel que lhe consome 70% do salário.

Digamos que a parte que ganhe mais queira arcar totalmente com os custos do consórcio de um apartamento de alto padrão, por exemplo, o alto custo não vai influenciar apenas no aluguel, mas sim em todo o padrão de vida.

Se a pessoa que ganha menos, antes, conseguiria dividir um aluguel menor, ir na academia, ter uma rotina de cuidados físicos e estéticos, que antes cabiam em seu bolso, agora pode enfrentar uma grande discrepância em seus gastos pessoais, – mesmo que não tenha que arcar com valores mensais do apartamento – como a academia que custava 80 reais mensais 5 vezes na semana, agora custa 250 reais três vezes na semana.

Esse momento exige muita conversa e a voz de quem ganha menos, que é quem será mais afetado pela situação, deve ser ouvida.

Um gasta um pouquinho, o outro, um montão, e agora?

Isso pode não ser um problema, com os gastos mensais definidos o “gastão” deve se comprometer a pagar a parte dele. Com as despesas mensais do casal pagas, as despesas pessoais são da responsabilidade unicamente da pessoa. Desde que o casal converse e entenda que, os gastos pessoais de cada um são de cada um.

Porém isso pode atrapalhar quando esses gastos começam a influenciar no dia do pagamento das contas do casal, ou mesmo uma das partes começar a retirar o dinheiro de um fundo comum de ambos para usar em gastos que não foram consentidos pela outra parte, seja para itens para a casa ou para gastos pessoais.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem leu este post leu também :)

Onde investir o seu dinheiro em 2021-2022?

Consumidores chegam pagar 30% mais em carros de luxo quando não prestam atenção nisso

Entenda as vantagens de ter um imóvel para renda

Quer saber por que as empresas fecham? Veja as principais causas!

Por que a busca por consórcio imobiliário aumentou na pandemia?

A Única Maneira Comprovada de Comprar um Carro Parcelado Sem Juros

Materiais Educativos

Como conseguir capital de giro com consórcio

Crédito para investir no que quiser na sua empresa, pagando no mínimo duas vezes mais barato que empréstimo e no prazo certo.

Fale com nossos especialistas.

Trabalhe com a Redesul

Anexar Currículo no formato: .doc .pdf .docx (max 5mb )