5 maneiras de levantar capital de giro para empresas

Redação Redesul :)

Redação Redesul :)

O melhor da Redesul com estratégias para prosperar e aumentar seus investimentos.

Levantar capital de giro é um dos maiores desafios de empresários brasileiros, do pequeno ao grande porte. A lógica do mercado tem exigido que as empresas se mantenham em constante expansão e atualização, atuando com o máximo de potencial. Se não fizerem isso, o risco de perderem a competitividade e fecharem as portas é grande.

Seja para evitar esse tipo de situação ou mesmo para dar um fôlego nos negócios, empreendedores estão buscando soluções mais atrativas para conseguir esse capital.

Você está entre os milhões de empresários preocupados em como conseguir esse recurso? Nós reunimos num só conteúdo 5 maneiras de levantar capital de giro pra facilitar a sua pesquisa. (Lembrando que é sempre importante conversar com um profissional antes de tomar qualquer decisão).

Instituições Financeiras

Procurar os bancos é uma alternativa bastante buscada por muitos empresários que querem levantar capital de giro. Mas esta opção nem sempre compensa em razão das taxas de juros, que costumam ser muito altas.

Por outro lado, se a sua empresa já possui um histórico positivo junto à alguma instituição, há maiores chances de você conseguir condições mais atraentes pra adquirir o crédito. Isso, principalmente se sua intenção não é salvar a empresa, mas expandir.

Em primeiro lugar você deve definir qual o valor que vai precisar. Depois, estabeleça aonde esse recurso será utilizado; se para a compra de máquinas, equipamentos, matéria-prima ou para aumento da estrutura física, etc.

Só após saber esses detalhes você deve pesquisar sobre as linhas de crédito que mais se enquadram nas suas necessidades. Isso, sem esquecer de verificar as condições de custos, prazos e limites, que podem variar bastante entre os bancos.

É fundamental garantir que tudo na empresa esteja em dia, como a situação legal, garantias, capital próprio, etc. Feito isso, você terá que provar ao banco que seu projeto é financeiramente viável. Para tanto, a melhor ferramenta é fazer um plano de negócios. Existem também algumas instituições financeiras que solicitam estudo de viabilidade do projeto, realizado com ferramentas do próprio banco.

Após passar por todos esses procedimentos, você deve apresentar ao gerente de pessoa jurídica do seu banco todas as documentações necessárias, garantias solicitadas e planos de negócios, mostrando a viabilidade do projeto. Então, é só aguardar o banco analisar o seu projeto e responder se libera ou se restringe seu empréstimo.

Mas não esqueça: o banco quer correr o mínimo possível de riscos. Portanto, é muito importante elaborar um estudo completo com a análise de mercado, produto, operação e finanças. Você deve provar que seu projeto é viável e que você vai conseguir pagar esse empréstimo.

BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento)

Através de programas de apoio ao desenvolvimento promovido pelo BNDES, é possível levantar recursos com juros menores do que aqueles praticados pelas instituições financeiras. Entretanto, tudo depende do tamanho do seu negócio, renda disponível e qual o tipo de crédito que você pretende adquirir.

A Taxa de Longo Prazo (TLP) utilizada pelo Banco mensalmente é composta de uma parcela de juros reais pré-fixados (“TLP-Pré”) e da inflação (IPCA). Portanto, a TLP-Pré a ser utilizada pelo BNDES para os novos contratos é anunciada no início de cada mês pelo Banco Central.

A partir da data de início de vigência dos contratos em TLP, a parcela de juro real será fixa ao longo da vida dos contratos, variando apenas o componente da inflação, que é o IPCA.

A Taxa projetada para contratos assinados em agosto de 2018 (com base na expectativa de inflação acumulada para os próximos 12 meses), é de 6,84%. Existe certa burocracia e você terá que escolher uma entre as várias linhas de crédito pra negócios nos mais diferentes estágios. Pra isso, você deve acessar a página do BNDES que trata sobre os financiamentos.

Você também pode conferir as áreas em que o BNDES atua, clicando aqui.

Sócios

Muitos empresários optam por ter uma sociedade pra dar conta de todos os processos financeiros da empresa. No entanto, existe certa confusão quando se fala em sócio capitalista e sócio investidor.

Os dois servem para injetar dinheiro na abertura de um negócio. Mas no primeiro caso, o sócio capitalista sempre vai se importar com a quantidade de dinheiro investido. Por isso, muitas empresas precisam escolher mais de um, os quais dividirão todos os lucros em longo prazo.

Por outro lado, o sócio investidor não está focado nos valores que vai investir. Geralmente, esse tipo de investidor tem bastante dinheiro, inclusive pra abrir um negócio sozinho.

Esse sócio costuma investir apenas quando tem certeza de que a empresa tem um alto potencial de lucro. Ele inesvte quando tem provas de que o retorno ocorrerá dentro de um período curto de tempo. Isso acontece porque o sócio investidor está correndo um risco maior, uma vez que se algo der errado ele pode perder uma grande quantia em dinheiro.

Esse investidor só aparece na empresa pra receber sua parte dos lucros e evita se envolver em questões administrativas e de gestão. Enquanto que os sócios capitalistas, pelo contrário, podem optar por acompanhar a movimentação da firma, atuando em uma área de seu interesse.

A orientação aqui é buscar em primeiro lugar um sócio capitalista, e só procurar um sócio investidor em últimos casos, visto que ele exige um nível muito alto de comprometimento da empresa e pode deixá-la sob pressão logo nos primeiros meses de funcionamento.

Empréstimos de amigos, conhecidos ou familiares

Quem nunca precisou pedir dinheiro emprestado a um amigo ou parente? Quase todo mundo em algum momento da vida já teve que recorrer às pessoas mais próximas pra sair de uma situação difícil. Entretanto, levantar capital de giro é bem diferente do que pegar dinheiro emprestado pra pagar alguma conta e devolver no mês seguinte.

Levantar capital de giro para ampliar ou manter uma empresa funcionando exige mais organização e comprometimento. Isso porque é necessário fazer um acordo por escrito, colocando tudo o que foi combinado em um contrato. Com a assinatura de ambas as partes, é possível evitar calotes, atrasos e devoluções erradas.

Neste documento, serão estipulados os detalhes da transação, como a forma de pagamento, prazos, multas, consequências caso o valor não seja devolvido, entre outras especificidades, entre elas, o prazo e quantia exata que serão devolvidos. Caso a devolução seja parcelada, o contrato deve prever a quantia a ser paga em cada mês.

E tem um detalhe bem importante: é preciso estabelecer uma taxa de juros (caso a devolução seja parcelada), além da correção monetária. Essa cobrança vai garantir que o dinheiro do credor não seja desvalorizado, pois mesmo em um cenário econômico com baixa inflação, o valor do real diminuirá ao passar do tempo. Ou seja, a mesma quantia que você pegou emprestado não terá o mesmo valor de compra poucos anos depois.

Diferente do que efetuar um empréstimo com desconhecidos, fazer essa transação entre amigos pode ser uma dor de cabeça, por que essa proximidade dificulta bastante a cobrança formal, o que pode gerar uma situação desconfortável e até comprometer a relação.

Por isso, antes de optar por este caminho, tenha certeza de que devolver esse dinheiro é a sua prioridade. Assim, você não passa por situações constrangedoras e evita consequências bastante negativas ao seu credor.

Levantar capital de giro com Consórcio

Pra levantar capital de giro através deste sistema, é necessário ter um imóvel em nome da empresa ou do empresário. A partir disso, o investidor entrará em um grupo de consórcio de imóveis, que tem duração máxima de 15 anos. Quando for contemplado, ele transfere o imóvel que está em seu nome para a empresa (ou vice-versa), realizando assim uma operação de compra e venda.

Existem muitos benefícios para empresas que optarem em investir em cartas de crédito. Entre as vantagens, além de não pagar absolutamente nada de juros, a empresa terá facilidade em planejar investimentos em médio e longo prazo.

Ao fazer um consórcio, ela saberá quanto deve investir mensalmente e por quanto tempo. Se quiser antecipar a contemplação basta ofertar um lance, que nada mais é do que adiantar algumas prestações. Ou seja, tudo pode ser programado.

E ainda tem a vantagem de não precisar apelar pra empréstimos bancários e financiamentos. Essas modalidades de aquisição de crédito além de dificultarem a adesão em função da burocracia, praticam taxas de juros gigantescas.

Com o consórcio, a burocracia é simples e o contrato é feito quase que imediatamente. Além disso, não precisa dar entrada e não tem qualquer taxa de juro. Por esta razão, o consórcio é ideal pra todas as empresas que querem estabelecer uma estratégia voltada ao crescimento constante e a prevenção e proteção do seu capital de giro.

Cartas Contempladas

Se o empresário não tiver interesse em programar esse investimento e precisa levantar o crédito imediatamente, também existe a opção de investir em uma carta contemplada, adquirindo uma cota que já foi sorteada ou contemplada em lance.

Embora não seja muito comum, essa é normalmente uma das maneiras mais baratas de levantar capital de giro no Brasil.

O processo consiste basicamente em comprar uma carta contemplada que tenha o valor de crédito que você deseja como capital. Você, então, paga o valor parcial da carta (o que ela custou até o momento da contemplação) e assume as parcelas restantes.

Depois, é só alienar (ou faturar) uma de suas propriedades, que pode ser um imóvel residencial, comercial, terreno, apartamento. Esse bem deve ter uma avaliação igual ou superior ao valor do saldo devedor da carta de crédito.

Pra levantar capital de giro através de carta contemplada, o procedimento é o mesmo.

O empresário precisa ter um imóvel em seu nome ou em nome da empresa. Então, compra a carta já contemplada, e após, análise de crédito e aprovação ele transfere o imóvel que está em seu nome para a empresa (ou vice-versa), realizando a operação de compra e venda. Essa operação também pode ser realizada entre parentes por exemplo, pai e filho ou irmãos.

Ficou interessado? Clique na imagem abaixo e faça uma simulação pra saber se você também pode levantar capital de giro através desse sistema.

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Quem leu este post leu também :)

Entenda o que é e como fazer antecipação de recebíveis

5 práticas para fazer uma boa gestão financeira empresarial

Quer saber por que as empresas fecham? Veja as principais causas!

3 maneiras de conseguir capital de giro sem fazer empréstimo

A Única Maneira Comprovada de Comprar um Carro Parcelado Sem Juros

Quer tirar sua empresa do aluguel? Veja 4 maneiras de fazer isso

Materiais Educativos

Como conseguir capital de giro com consórcio

Crédito para investir no que quiser na sua empresa, pagando no mínimo duas vezes mais barato que empréstimo e no prazo certo.

Fale com nossos especialistas.

Trabalhe com a Redesul

Anexar Currículo no formato: .doc .pdf .docx (max 5mb )